Política

Política se trata de ideias?

As ideias vêm e vão, mas o que permanece são os indivíduos que as reproduzem no cenário político, com ressalva do período de tempo limitado pela vida humana.

LinkedInTumblrRedditWhatsAppEmailGoogle GmailYahoo MailWordPress
O processo político é movido por ideias, poderiam argumentar alguns, mas somente ideias são o suficiente? Acredito que qualquer criatura da espécie homo sapiens é capaz de ter ideias, porém o que me preocupa por trás de qualquer ideia é a pessoa que a veicula.

Publicidade

O processo de análise de uma boa política também deve passar por crivos científicos, e quando se trata de ciência, uma das coisas mais básicas é a busca por constantes, ou seja, padrões nos quais possamos descrever o comportamento de um sistema, o que nos leva a uma resposta: Pessoas!

As ideias vêm e vão, mas o que permanece são os indivíduos que as reproduzem no cenário político, com ressalva do período de tempo limitado pela vida humana. Como exemplo disso podemos usar o presidente Michel Temer, já sabido não ter caráter nenhum por ter se juntado ao Partido dos Trabalhadores, que subiu ao poder com a promessa de liquidar ministérios e agora já está abraçando a ideia de aumentar o número de ministérios. Perceba que as ideias não são constantes no ambiente político, principalmente num ambiente político pautado numa dialética marxista oportuna para se inverter os sentidos quando convir.

Veja também:  Processo de impeachment de Dilma é aprovado pela Câmara

O que se combate em política são pessoas, não é possível transformar o sujeito x ou y, é preciso tirá-lo de lá para que suas ideias não movam o leme do país, isso se deve ao fato de que a política é um movimento que se concretiza na ação, como fomentava Paulo Freire dentro da própria educação com sua práxis educadora.

Combater ideias sem combater a pessoa que as reproduzem é suicídio político. É criar um ciclo infinito de conflito sem solução, é combater o assalto e conviver com o assaltante, é combater as drogas e conviver com drogados, é combater o aborto e conviver com as clínicas que praticam o mesmo, é combater o fogo sem atacar o foco do incêndio.

A grande questão envolvida, obviamente, se encontra na moralidade dos indivíduos, não é possível tolerar pessoas que não estão em busca da verdade, com intuito de  pervertê-la segundo suas próprias fantasias, ignorando as evidencias e, principalmente, o contraponto do debate. Respeitar a realidade é a verdadeira dialética Hegeliana.

Veja também:  A moral revolucionária: por que não adianta discutir com esquerdistas?
Publicidade

Veja também

(Fonte da imagem: Reprodução)

Os canalhas de outrora e a última saudação

Ter a experiência de escrever no Minuto Produtivo foi uma coisa maravilhosa. Este foi um …