Internacional

Começa a campanha do referendo sobre cotas de refugiados na Hungria

Para travar a entrada de migrantes no país, o Governo húngaro reviu a lei migratória e mandou erguer muros nas fronteiras com a Sérvia e a Croácia.

LinkedInTumblrRedditWhatsAppEmailGoogle GmailYahoo MailWordPress
Começou a campanha para o referendo na Hungria sobre o plano de relocalização dos refugiados na União Europeia. A consulta popular vai realizar-se no dia 02 de outubro e o referendo britânico promete ser um dos argumentos de peso dos que contestam o plano traçado por Bruxelas para distribuir 160 mil requerentes de asilo no espaço comunitário.

Publicidade

“Uma das principais conclusões do executivo após o Brexit é que a voz das pessoas deve ser ouvida e o referendo no Reino Unido está a ser utilizado na campanha aqui na Hungria. O Governo pretende com isto reforçar o poder na União Europeia e dizer que afinal é isto que a maioria das pessoas quer” refere a analista política Edit Zgut.

Para travar a entrada de migrantes no país, o Governo húngaro reviu a lei migratória e mandou erguer muros nas fronteiras com a Sérvia e a Croácia. Agora, e durante a campanha para o referendo o primeiro-ministro pretende utilizar a estratégia do medo e passar a mensagem de que entre os refugiados há, também, terroristas.

Para Andrea Hajagos, jornalista da Euronews, “A campanha começa oficialmente agora. Além dos partidos no poder, provavelmente, também o ultranacionalista Jobbik vai fazer campanha pelo não a Bruxelas. Já os partidos de esquerda prometem bater-se pelo sim.”.

Veja também:  Pré-candidatos republicanos criticam política migratória europeia

Os referendos na Hungria registam, por norma, uma baixa participação e ficam abaixo dos 50% necessários para que possa ser considerado válido.

Fonte: Euronews

Publicidade

Veja também

Donald Trump em campanha (Fonte: Divulgação)

Como Trump venceu – e como a mídia perdeu isso

(O texto abaixo é de autoria de Joel B. Pollak, editor-sênior do portal conservador de …