Bizarro

Criança que viajava sozinha é “extraviada” em voo da Gol

Segundo o relato do pai, feito esta tarde, a descoberta de que seu filho estava desaparecido foi feita por ele mesmo e ainda assim, não conseguiu ajuda imediata.

LinkedInTumblrRedditWhatsAppEmailGoogle GmailYahoo MailWordPress
Um fato incomum e absurdo ocorreu hoje (03/12) quando Wanderson Romão, professor e pai, foi buscar seu filho de 6 anos (que vinha de avião do Rio de Janeiro) e simplesmente descobriu que seu filho não estava presente no voo.

Publicidade

Foi o começo de uma dor de cabeça muito maior, já que segundo Wanderson, ninguém se dispôs a ajudá-lo de imediato.

“Entrei na sala de desembarque provocando os funcionários da GOL e INFRAERO que pouco me ajudaram. Quase invadir a pista, mas fiquei receoso de ser preso. Ao questionar os funcionários da GOL, absurdamente tive que ouvir da atendente a pergunta se que se eu havia comprado a passagem por Smiles !! Neste caso, eles te direcioriam para o 0800. Já passei por isso antes, quando estava no aeroporto Santos Dumond, em 2013. Bom, havia uma criança desaparecida. Ninguém estava me ajudando.

O pai só conseguiu ajuda quando entrou em contato com um Policial Federal.

“Até que, enfim, assionei o agente da Polícia Federal que estava no local. Veio então o delegado do aeroporto de Vitória que entrou no Voo 2160 e não encontrou a criança.” […] “A supervisora da GOL foi acionada. Depois de 1 h tive a informação que meu filho havia chegado, mas em Curitiba, Paraná !! Ele fez o voo sem nenhuma pessoa ao lado.”

Ainda segundo o relato, há uma taxa extra para que a criança venha acompanhada de um funcionário da empresa.

“Neste caso, a gente paga uma taxa por esse serviço (R$ 100). O total da ida e volta ficou em torno de R$ 750. Meu filho foi deixado pela mãe no aeroporto do Galeão as 16 h e entregue aos funcionários da GOL.”

Como se não bastasse o “extravio”, segundo a criança, os funcionários falavam palavras de baixo-calão e informaram a ele que estava em um voo errado.

“Meu filho de seis anos relatou para mim que ele descobriu através dos funcionários da GOL que estava no vôo errado: “pai eles falaram coisas feias, palavrões, na minha frente”.”

Por fim, ficou acordado de que a criança voltaria de Curitiba para o Rio de Janeiro, pois estava assustada e, para chegar a Vitória, seria necessário fazer escala.

“A GOL, para solucionar a MERDA que tinha feito, me deu apenas uma opção: que meu filho viesse para Vitória, via conexão Curitiba-Rio-ES. Decidi pela vida do meu filho, que ele ficasse no RJ, sem conexão. Aliás, se em um vôo direto haviam perdido ele, imagina em uma conexão.”

A assessoria da Gol ainda não se pronunciou sobre o caso.

Veja também:  Criança é impedida de participar de desfile por ser branca

Leia o relato completo abaixo:

Publicidade

Veja também

(Fonte da imagem: Universidade de Yale)

É sério: universitários de Yale pedem para não estudar escritores brancos e homens

Estudantes de inglês da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, enviaram um pedido ao departamento …